Você já ouviu falar na cerveja estilo Lambic? Ela faz parte das categorias das cervejas Ales (de alta fermentação) e estão apropriadamente dentro do grupo das bebidas elaboradas com trigo em fermentação espontânea. Mas o que isto significa?

Para os(as) apreciadores de cervejas especiais, as cervejas de trigo trazem geralmente a agradável surpresa do baixo amargor por conta da baixa presença de lúpulo. Sua aparência é um pouco escura, por conta da não-filtração, assim como pode conter alguns resquícios de sedimentos no fundo da garrafa. Igualmente surpreendente é o seu baixo teor alcóolico (cerca de 5%) e o sabor mais ácido da Lambic – o que a torna bem refrescante.

Segundo o portal Cervezas del Mundo, este estilo nasceu e é exclusivo da Bélgica – país notoriamente consolidado por sua tradição cervejeira – há mais de 400 anos. Ainda de acordo o portal mencionado, as Lambic nasceram nos vales próximos à capital Bruxelas, provavelmente na cidade de Leembek, de onde teria sido cunhado oficialmente o seu nome.

Entre outras características únicas, as Lambic levam anos para serem elaboradas, mas são consumidas, em geral, jovens – em até seis meses, na pressão. A partir de seis meses, elas são cunhadas como Lambic envelhecidas. Para serem consumidas em garrafas, é necessário esperar um bocado: por conta de sua fermentação espontânea, as cervejas só são postas em garrafas após terem fermentado por completo.

Entre os diversos tipos de Lambic, as mais frutadas e de estilo gueze são conhecidas pelo seu alto teor de gás. Assim como os espumantes, estas cervejas são engarrafadas com rolhas de cortiça e devem ser servidas em baixas temperaturas, entre 4ºC e 8ºC, ou segundo indicação do fabricante.

Para apreciar melhor a sua Lambic, sirva-a num copo estilo tulipa. Ao abrir, evite chacoalhar a garrafa ou fazer movimentos bruscos, pois poderá perder uma porção considerável da bebida em espuma. Não se esqueça do colarinho!

 

Com informações de: Cervezas del Mundo, Wikihow e Wikipedia