Gostar de cerveja todo mundo gosta, mas dentre as milhares de variedades no mundo desta bebida, sempre tem aquela que cativa mais o nosso coraçãozinho, que o faz bater mais forte quando provamos a nossa cerveja favorita novamente. 

Por isso, não é apenas uma questão de gostar de cerveja, é necessário também conhecer os melhores termos cervejeiros, decifrando os seus códigos e segredos e aprimorar, cada vez mais, a nossa paixão pelo assunto.

Continue a leitura até o fim e confira os principais termos cervejeiros utilizados para se referir à bebida. Acompanhe com a gente!

Siglas cervejeiras

Essas letrinhas costumam estampar os rótulos das cervejas ou cardápios de cervejarias e tap houses. Confira qual o significado de cada sigla!

  • ABV: Alcohol by Volume ou Álcool por Volume, se refere ao percentual total de álcool na bebida. Considera-se uma cerveja de baixo teor alcoólico entre 0,5% e 2,0%; de médio teor alcoólico entre 2,0% e 4,5% e alto teor alcoólico a partir de 4,5%.
  • OG: Original Gravity Gravidade Original ou Densidade Original do Mosto, se refere à quantidade de substâncias fermentáveis e não fermentáveis, também conhecida como “massa seca”, presente no mosto da bebida, antes de ela ir à fermentação. Em países como a Alemanha e a Suíça, a base de cálculo do imposto da bebida varia de acordo com a densidade original do mosto.
As siglas cervejeiras costumam estar estampadas no rótulo da bebida.
  • FG: Final Gravity ou Gravidade Final, se refere à quantidade de substâncias não fermentáveis presentes após a fermentação da bebida.
  • IBU: International Bitter Units ou Unidade Internacional de Amargor – classifica a quantidade de iso-alfa-ácido por litro de bebida, conferindo-a um grau menos ou mais amargo. Ela pode variar de 0 a 120, sendo 0 nada amargo e 120 extremamente amargo.
  • SRM: Standard Reference Method ou Método de Referência Padrão – diz respeito à cor da cerveja, podendo variar de 0-2 (cervejas ultraclaras e amareladas) a 40 graus ou mais com as Black IPAs.

Ingredientes da cerveja

Pode ser que você já tenha ouvido falar que uma cerveja tem “sabor maltado” ou “aromas de lúpulos”, mas o que isso significa? Acompanhe com a gente!

  • Malte: se você gosta de cerveja, precisa saber o que é o malte! Trata-se de um tipo de grão germinado artificialmente e, em seguida, seco. É rico em açúcares e utilizado como matéria-prima para a produção de boa parte das cervejas. Dependendo dos demais processos, pode ter diversos aromas e sabores.
  • Puro malte: um tipo de cervejas que não utiliza cereais não-maltados em sua composição, como milho e arroz.
  • Malte torrado: um tipo de malte que é levemente torrado, trazendo às cervejas sabores mais amargos, que lembram castanhas, defumação e biscoito.
  • Cevada: cereal utilizado na elaboração de boa parte dos tipos de cervejas maltadas.
  • Trigo: cereal utilizado na elaboração de alguns tipos de cerveja, como Witbier e Weiss. 
  • Lúpulo: é um tipo de planta que gera brotos usados na produção de algumas cervejas. Ele proporciona sabor amargo e aroma herbal à bebida. 
Lúpulos: brotos utilizados na produção de cerveja.
  • Levedura: também chamada de “fermento”, trata-se de um conjunto de fungos utilizados no processo de fermentação, para transformar o açúcar presente no malte em álcool.

Termos sobre produção de cerveja

Os termos a seguir têm a ver com o processo de produção da cerveja e, consequentemente, influenciam diretamente em seus sabores e aromas.

  • Mostura: logo no início da produção, os maltes são moídos, misturados com água e cozidos. Essa primeira etapa pode ser chamada de moagem.
  • Mosto: é nome dado à mistura de malte moído e água antes da fermentação
  • Fermentação: é o processo em que são adicionadas as leveduras para que o açúcar se transforme em álcool. Pode ser feito de diferentes formas, de acordo com o tipo da cerveja.
Durante a fermentação são acrescentadas leveduras para transformar açúcares em álcool.
  • Maturação: assim que a fermentação é finalizada, o líquido é armazenado em baixas temperaturas durante determinado tempo para “clarificar” a bebida. Esse processo é chamado de maturação.
  • Pasteurização: após a fermentação, podem restar micro-organismos na cerveja. O processo de pasteurização é feito por alguns produtores para esterilizar a bebida.
  • Clarificação: termo cervejeiro utilizado para definir a retirada de sedimentos da cerveja fermentada, deixando-a mais clara e límpida.
  • Whirlpool: é uma forma de mexer o mosto fermentado, formando um redemoinho, para decantar os sedimentos.
  • Carbonatação: é a adição de dióxido de carbono à cerveja. Pode ser feito tanto de forma natural, como resultado da fermentação, quanto artificial.

Características da cerveja

  • Adstringência: é aquela sensação de “amarrar a boca” que temos quando comemos uma banana ou caju verde, presente em cervejas mais encorpadas.
  • Drinkability: às vezes traduzido como “bebabilidade”, nada mais é que a facilidade de se beber uma cerveja. 
  • Corpo: é a sensação captada pelo nosso paladar quando colocamos uma cerveja na boca. Geralmente, ela pode ser mais leve, quando é digerida com facilidade, ou mais encorpada, quando apresenta certo peso sobre a língua.
  • Retrogosto: após a degustação, a sensação que fica no paladar pode ser chamada de “retrogosto”.
  • Aroma: é o cheiro da cerveja, que pode derivar do malte, dos lúpulos, ou de processos de produção.

Na próxima vez que você tomar uma cerveja que agrade o seu paladar, faça a lição de casa e tome nota de todos esses termos cervejeiros que apresentamos. Com o tempo, você se tornará um verdadeiro profissional em degustar e classificar a bebida.

Para receber novas dicas imperdíveis sobre cerveja e o universo cervejeiro, preencha o formulário e assine a nossa newsletter!