Com o crescimento do movimento cervejeiro artesanal na última década, muitos  entusiastas passaram a se aventurar e produzir a bebida em casa. Os homebrewers – como são chamados – escolhem os ingredientes de sua preferência para criar cervejas únicas e diferenciadas, perfeitas para degustar com amigos e familiares.

Entretanto, com tantos tipos de lúpulo disponíveis no mercado, às vezes é difícil fazer a escolha certa, considerando que o ingrediente influencia diretamente nos sabores, aromas e amargor da bebida.

Abaixo, explicamos para você as principais características desse ingrediente e incluímos algumas sugestões de lúpulos para você utilizar em suas produções. Continue a leitura!

Como escolher o lúpulo certo?

Existem cerca de 80 espécies de lúpulos, cada uma com características muito próprias. Para fazer sua escolha, é preciso observar a concentração de algumas substâncias para ter uma ideia da bebida que aquele ingrediente vai gerar. 

Alfa-ácidos

São um tipo de resina com propriedades antibacterianas e responsável, principalmente, pelo sabor amargo da cerveja. Quanto maior a concentração de alfa-ácidos ou quanto mais tempo forem fervidos durante a produção, mais amargor terá o produto final, ou seja, maior será seu IBU.

O teor dessa substância é dado em porcentagem, e costuma estar entre 3% (como no lúpulo Saaz) e 21% (como na espécie Apollo). Além disso, pode haver variação de acordo com a safra, local de cultivo, época do ano, entre outros fatores. 

tipos de lúpulo alfa acidos
Graças aos alfa-ácidos, quanto maior o tempo de fervura do lúpulo, é comum que a cerveja tenha um sabor mais amargo.

Entre os subtipos de alfa-ácidos, existe o cohumulone, que geralmente traz à bebida um amargor mais grosseiro. Sua variação também é medida em porcentagem, e quanto maior a quantidade, mais ríspido será esse sabor.

Beta-ácidos

Os beta-ácidos são outro tipo de resina encontrada no lúpulo e cooperam para a formação de aromas na bebida. A concentração dessa substância costuma variar entre 3 e 8%, podendo chegar a 10% em alguns casos.

Óleos essenciais

Assim como os beta-ácidos, os óleos essenciais são utilizados para proporcionar aromas à cerveja. A variação dessa substância oscila entre 0,5% e 3% de acordo com a variação. 

São muito voláteis, portanto, quando um produtor está trabalhando com um lúpulo abundante no teor de óleos essenciais, é comum que ele acrescente o ingrediente apenas no final da fervura ou até durante a maturação, evitando que os aromas se evaporem.

Outras características

Algo que não depende necessariamente da concentração das substâncias anteriores, mas que varia de acordo com o lúpulo, são os aromas e sabores característicos. Eles podem ser mais frutados, cítricos e florais, e remeter a frutas, flores e vegetais conhecidos.

Na hora da escolha, preste atenção a esse detalhe, pois isso será determinante para as características da sua cerveja. Geralmente, ele está descrito na ficha técnica do ingrediente, juntamente com outras características.

Tipos de lúpulo

Depois de entender as principais particularidades, que tal conhecer alguns dos principais tipos de lúpulos brasileiros? Listamos três variações incríveis cultivadas em nosso país para você utilizar em suas produções!

Cascade 

O Cascade é uma espécie de origem dos Estados Unidos. Indicado para cervejas do estilo Ale ou Witbier, é capaz de proporcionar tanto um amargor balanceado quanto aromas de capim-limão, pimenta e especiarias. 

Alfa-ácidos: 4%
Alfa-ácidos: 2,2%

tipos de lúpulo cascade

Comet

Assim como o Cascade, o lúpulo Comet também é de origem norte-americana. É famoso pelo leve amargor e pelas notas aromáticas que consegue imprimir, como grapefruit, tangerina e notas herbais. 

É indicado para cervejas Lager ou Ale. Por ser bastante aromático, é ótimo também para produtores que querem fazer dry hopping – ou seja, adicionar o lúpulo durante o processo de maturação.

Alfa-ácidos: 9,2%
Alfa-ácidos: 3,7%

tipos de lúpulo comet

Triple Pearl

Nossa última sugestão é o Triple Pearl, uma variação descoberta e reconhecida somente no ano de 2013. Seu amargor tem forte presença, e os aromas abrangem um amplo espectro: cítrico, frutado, doce e complexo, com notas de especiarias (cravo, pimenta-da-Jamaica e anis) e suave terroso.

Pelo seu perfil mais potente, é indicado para cervejas igualmente intensas, como IPAs e Pale Ales. 

Alfa-ácidos: 7,6%
Alfa-ácidos: 2,1%

Assim como outras plantas, as variações de lúpulo são muito evidentes, tanto por suas características sensoriais quanto pela sua composição química. Na hora de escolher, preste bastante atenção a esses detalhes!

Agora que você já conhece os principais tipos de lúpulos, que tal aventurar-se fazendo sua própria cerveja? No site do Bom de Beer, você encontra todas as variações citadas acima para usar como quiser na sua produção caseira. Clique no banner abaixo para conferir!

tipos de lúpulo lupulos brasileiros