Churros de Cerveja

Se por acaso você era criança nos idos 1990, o doce – e assunto de hoje – trazia, invariavelmente, uma associação à famigerada série de televisão mexicana, cujo protagonista anti-herói era conhecido como Chaves. Além do inalcançável sanduíche de presunto, a principal regalia que deixava muitos de nós, pequenos sonhadores, com água na boca eram os tais dos churros. Mas o que são churros, afinal? De onde eles vêm?

Segundo o portal independente The Prisma, essa aventura gastronômica teve início no século 16 quando os portugueses embarcaram em terras chinesas. Foi lá, do outro lado do mundo, que os lusitanos ouviram e provaram o “youtiao” pela primeira vez – tiras de massa frita consumidas pela classe trabalhadora chinesa no café da manhã. Ainda, de acordo com o mesmo portal, “youtiao” significava “demônio frito em óleo”, e era servido em pares, numa pequena “homenagem” a duas figuras da dinastia Song que haviam matado um general importante da época.

Da China para Portugal, de Portugal para Espanha e da Espanha para a América Latina foi um pulo – ou melhor, um navio. Aqui no Ocidente, a massa passou de uma comida popular salgada a ser uma sobremesa real. Na época, o chocolate era um produto caro e símbolo de status que, somado ao novo formato em estrela, era o prato-ostentação da época.

Atração obrigatória dos parques de diversão e feiras nacionais, embora a tradicional versão chinesa do churro salgado ainda sobreviva em algumas partes do mundo, no Brasil o chocolate acabou ganhando um novo concorrente como um dos seus recheios principais, cedendo boa parte do espaço para o delicioso doce de leite.

  Mais abaixo, juntamos o melhor dos mundos, do sonho infantil ao sonho adulto, num churro clássico de chocolate à base de cerveja. Bom proveito!

 

Churros de Cerveja e Chocolate

Ingredientes

Massa:

  • 250ml cerveja de trigo
  • 50g manteiga
  • 165g farinha de trigo (1 xícara)
  • 1 pitada de sal
  • Óleo para fritar
  • Açúcar e canela para empanar

Cobertura:

  • 200g chocolate meio amargo
  • 75g creme de leite fresco
  • 50ml leite
  • 1 colher de chá de curry
  • ½ pimenta dedo de moça

 

Modo de Preparo

  1. Coloque a cerveja em uma panela em fogo médio até que ela reduza para aproximadamente 200ml. 
  2. Adicione o sal e a manteiga até que esteja totalmente derretida.
  3. Junte a farinha toda de uma vez, desligue o fogo e mexa até homogeneizar.
  4. Coloque a massa em um saco de confeitar com ponta de “estrela” e deixe resfriar na geladeira ou congelador, enquanto prepara a cobertura.
  5. Para a cobertura, junte o leite, creme de leite, curry, pimenta e leve ao fogo até levantar fervura. Curry e pimenta a gosto.
  6. Pique o chocolate em pedaços pequenos. Despeje os líquidos através de uma peneira sobre o chocolate e mexa até homogeneizar. Mantenha aquecido.
  7. Aqueça o óleo para fritar os churros.
  8. Para cortar a massa você pode usar uma tesoura ou a ponta dos dedos.
  9. Ao retirar os churros da fritura, coloque-os em papel toalha para que absorva todo o excesso de óleo e passe na mistura de açúcar e canela.
  10. Arrume os churros em um recipiente alto, ou copo tipo pint.
  11. Sirva com a cobertura de chocolate em recipiente separado. 

 

Fonte da receita: A Perua da Cerveja (contém adaptações)

Com informação de: The Prisma


Confit de Pato ao Molho de Laranja e Cerveja

O pato vinha cantando alegremente... até que um dia caiu na panela. Azar do pato, sorte a dos humanos, hoje trazemos uma receita dos tempos da Cleópatra até a sua mesa, com um toque – é claro – do delicioso sabor da cerveja escura.

Desde que o mundo é mundo, o ser humano sempre buscou a melhor maneira de conservar seus alimentos. Não à toa, no Antigo Egito, há mais de quatro mil anos, um método bem conhecido de preservar a comida do dia de hoje para os dias vindouros era mergulhar o alimento em condimentos (como o açúcar e o mel) ou em gordura. Essa cultura de conservar os alimentos em banha animal atravessou a História, passou de geração em geração também nos impérios grego e romano, e ganhou um destaque na Idade Média, em especial sob o gosto de Henri IV, rei da França (de 1589 a 1610). Foi graças a ele que, por exemplo, o pato em banha deixou de ser um prato “popular”, campesino, e alcançou o status de comida nobre, da realeza.  

Em francês, este método de conservação é conhecido como “confit”, do verbo “confire”, e pode ser tanto usado para doces – em “confiture”, que significa geleia ou fruta embebida em açúcar – quanto para salgados, como o “confit de canard” – ou pato conservado na gordura.

Tradicionalmente, o confit de pato é uma receita associada à região do sudoeste da França, cujo clima e geografia permitem uma boa criação deste animal. No Brasil, segundo estudo divulgado em 2018 pela Associação Brasileira de Proteína Animal, a produção e exportação deste animal se concentram basicamente no sul do país, sobretudo em Santa Catarina. Somente este estado foi responsável por 99,994% de toda a exportação de carne de pato ao resto do mundo, a mais de 20 países, representando um total de quase 3,5 mil toneladas do animal e gerando uma receita de quase 9 milhões de dólares ao país em 2017.

Comparativamente, enquanto o brasileiro médio consome apenas 13 gramas de carne de pato por ano, um europeu come 1kg desta carne e um chinês chega a consumir 1,5kg da ave anualmente. Assim sendo, embora a carne de pato ainda não seja uma preferência nacional, os números também indicam que ano após ano o brasileiro está introduzindo em sua mesa esse tipo de alimento.

Se você por acaso não teve a oportunidade de experimentar um delicioso confit de pato à moda francesa, hoje lhe trazemos uma receita turbinada com a nossa bebida favorita, a cerveja, de fazer qualquer um suspirar e dizer: “ulalá!”.

Bon appétit!

 

Confit de Pato ao Molho de Laranja e Cerveja

Ingredientes

  • 4 coxas (com sobrecoxa) de pato
  • 1/3 de maço tomilho
  • 4 ramos alecrim
  • 4 dentes alho picados
  • 80 gramas sal grosso
  • 20 g pimenta-preta
  • 750 ml azeite de oliva
  • 500 ml de cerveja escura

Para o molho:

  • 200 gramas açúcar
  • 100 ml de vinagre
  • 300 ml suco de laranja
  • 250 ml de caldo de legumes ou frango
  • 100 gramas manteiga
  • 50 gramas roux (caso seja necessário para a liga)

Modo de Preparo

  1. Tempere as coxas com as ervas, o sal grosso, o alho, pimenta e cerveja, deixando na geladeira de um dia para o outro. No dia seguinte, leve o azeite ao fogo em panela alta.
  2. Quando estiver bem aquecida, a mais ou menos 80 Cº, acrescente as coxas e leve ao forno coberto com papel alumínio para que cozinhe lentamente em fogo baixo 150Cº (tomando cuidado para que não ferva) por uma hora e meia.
  3. Após uma hora e meia, tire o papel alumínio e deixe para dourar por mais 15 minutos
  4. Molho de laranja: em panela pequena, leve o açúcar ao fogo médio até caramelizar. Acrescente o vinagre. Adicione o suco de laranja e o caldo de legumes diluído em um pouco de água quente.
  5. Acrescente a manteiga e misture bem até ter uma textura aveludada
  6. Adicione o roux caso o molho estiver muito líquido
  7. Sirva com arroz ou batatas ao murro

Fonte da receita: CookPad (contém adaptações)

Com informações de: Associação Brasileira de Proteína Animal, APEX-Brasil, Lafitte e Wikipédia


Bolo de Cerveja Escura

Existem fatos tão consolidados e arraigados em nossa cultura que muitas vezes não paramos para pensar de onde eles vêm e o porquê. Imagine-se, por exemplo, como um viajante espacial chegando a um planeta desconhecido. Neste planeta, os seres de um clã se reúnem uma vez ao ano em torno de um deles, acedem fogos e aderem a um cântico uníssono e breve, seguido por uma manifestação física ruidosa e depois silêncio. Soa familiar?

De acordo com o portal Superinteressante, o ritual de se comemorar um aniversário data mais de 5.000 anos. Com registros oficiais do Egito antigo, a tradição que antes era reservada apenas aos deuses e semideuses, isto é, aos faraós e seres do outro mundo, passou a ser “popularizada” também aos reles mortais. Embora, há muitíssimo tempo, o cristianismo havia proibido tal prática – por justamente não corresponder à adoração de um único deus –, a Igreja foi a responsável por trazer o aniversário de volta ao calendário Ocidental com a comemoração do nascimento de Cristo no dia 25 de dezembro.

Dentre uma das possíveis explicações para o formato da festividade, com um bolo redondo preenchido de velas, figura-se a reverência da Grécia antiga à deusa Artêmis, a deusa da Lua. O redondo simbolizava a Lua cheia e as velas a sua luz refletida na Terra.

Ainda mais inusitado, segundo o portal Bonde, antes de passarem a representar a comemoração dos seres terrestres, os antigos romanos tinham uma tradição bem peculiar: as famílias ricas preparavam deliciosos bolos para o casamento de seus entes queridos, mas, ao invés de os saborearem, eles eram amassados e jogados em direção aos noivos como símbolo de boa fortuna e adoração aos deuses.

Já na passagem da Idade Média para a Idade Moderna após o período das Grandes Navegações, o cacau trazido da América pelos espanhóis nos séculos XV e XVI marcam a profunda associação (para não dizer reverência) do bolo com o chocolate. Hábito comum nas grandes cortes europeias, as tortas recheadas com mais de um andar passaram a ser símbolo de status e opulência: quanto maior, mais nobre era a família.

Por isso, não fique surpreso(a) se um dia um viajante de outro mundo vier nos visitar e perguntar o motivo desta tão peculiar tradição de aniversário. Basta dizer ao nosso amigo interestelar que, entre a comemoração à deusa da Lua, o nascimento de Cristo, os faraós e seres de outro mundo, desejamos a um ente querido uma boa vida, regada de muita riqueza e felicidade.

 

Bolo de Cerveja Escura

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 xícaras (chá) de açúcar
  • 1 xícara (chá) de cerveja escura
  • 3 ovos
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de Preparo

  1. Bata as claras em neve e reserve.
  2. Em um recipiente misture a farinha, o açúcar, as gemas, a cerveja escura e bata até a massa ficar homogênea.
  3. Acrescente o fermento e as claras em neve e misture bem.
  4. Despeje em uma forma untada.
  5. Leve ao forno pré-aquecido por aproximadamente 40 minutos.
  6. Cobertura a gosto.


Informação de: Portal Bonde, Superinteressante
Fonte da receita: Tudo Gostoso (contém adaptações)


Egészségére! - Saúde

Oi? Como é? Você pode repetir?

O título acima é uma interjeição pertencente ao idioma húngaro, da família das línguas urálicas. Aparentemente impronunciável, esse palavrão todo é usado diariamente em diversas ocasiões e pode ser traduzido como o nosso simpático “saúde!”.Leia mais